quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Instalando guidão trekking (Borboleta, Butterfly, Multibar) na Soul D 60, aro 20", dobrável.

Olá, pessoal!

Como dizia o nosso amigo e cicloturista Fábio Tux, as implementações nunca terminam. A gente sempre está arrumando um jeito de alterar alguma coisa em nossas bicicletas.
Desta ver mudei o guidão. De um "Flat" para um "Trekking".

Guidão Flat (plano) que vem com a Soul D 60 e 70




Guidão Trekking (Borboleta, Butterfly ou Multibar)
Neste artigo vou explicar passo a passo como fiz e (alguém também o pode fazer) para instalar um guidão trekking em minha Soul. Lembrando que, ao fazer a adaptação, pode-se futuramente usar qualquer modelo de guidão, até um modelo Road, curvo. Apenas deve-se levar em conta se o guidão a ser colocado permitirá a dobragem da bicicleta.

Há muito tempo observando fotos e imagens de dobráveis na Internet eu pensava em instalar um guidão trekking na minha Nanika. Notei que as bicicletas Dahon, voltadas para cicloturismo, sempre traziam instalados esse modelo de guidão.
Como eu já tinha um desses guidões instalados em minha outra bike de cicloturismo, sabia perfeitamente da sua versatilidade no tangente às várias posições das mãos.
Em cicloturismo, pedais de longas distâncias, passamos horas com as mãos no guidão. Se não houver espaço para que mudemos as posições das mãos enquanto pedalamos, corremos o risco de ter dormência, formigamento, cãibras e até dores. O guidão trekking, como atualmente é conhecido, nos oferece várias opções de posições para as mãos, impedindo os problemas acima citados.
No guidão flat - plano - podemos apenas acrescentar mais uma posição quando instalamos uma extenção em suas extremidades conhecida como Bar hand.

Nanika com guidão plano e bar hands.


Honestamente eu não sei se vale a pena fazer a troca do guidão plano para um modelo trekking se a pessoa usa a bike apenas para ir e voltar do trabalho, se vai transportá-la em sacola no trem, metrô ou ônibus. Como veremos adiante para dobrá-la será necessário soltar o parafuso da mesa, etc. Contudo, para quem faz pedais de longa distância como eu, acho uma boa opção.

Bom, vamos ao tutorial:

Ferramentas necessárias:

  • Jogo de chaves Allen,
  • Arco de serra com a respectiva serra.
  • Morsa nro.2 ou maior.
  • Tesoura.

Materiais necessários:

  • Um guidão trekking, preferencialmente em alumínio.
  • Uma bucha que acompanha os adaptadores (explico mais adiante o que é essa bucha).
  • Uma mesa (avanço de guidão) regulável, na medida do diâmetro do guidão.
  • Uma tampinha de mesa (a aranha que prende o parafuso não será usada, só a tampa)
  • Cola do tipo Loctite (super bonder, Super cola, etc).
  • Um pedaço de câmara de ar velha.

Bucha - explicação: Imagine um sujeito que tem uma bike com garfo Over mas de rosca. Como ele faria para instalar uma mesa Ahead set? Existe um tipo de adaptador exatamente para esse fim.  Esse adaptador vem com uma bucha, pois o diâmetro interno da mesa é maior que o diâmetro externo da espiga, que tem 25,4 mm. No caso da Soul D 60/70 a espiga  do guidão tem exatamente 25,4 mm (vem marcado na espiga) de diâmetro. Assim, se não tiver essa bucha a mesa não dará aperto.
Se conseguir uma mesa com o diâmetro interno igual ao da espiga, 25,4 mm não vai precisar da bucha.
 
Mas atenção!: Por favor, não confundir com "instalar mesa ahead set em garfo STANDER de rosca!"

Bucha e mesa regulável


Bom, vamos ao trabalho.

Limpei o guidão da Nanika, removendo manetes de freio, manoplas, trocadores e tudo que ali estava instalado. Assim, bastou soltar a blocagem que regula a altura do guidão para tê-lo em minhas mãos. Esse guidão e sua espiga é uma peça só, não tem um sistema de avanço/mesa como em outros modelos de dobráveis.

Guidão "pelado".





Uma vez retirado o guidão, agora precisei serrá-lo, já que a espiga é imprescindível para a nova instalação.
Prendi-o na morsa e com o arco de serra, serrei bem no topo, próximo a parte horizontal.

Guidão plano serrado e o novo trekking que será instalado.


Esse guidão plano é fabricado em alumínio reforçado, portanto ele tem uma espécie de colméia em seu interior. Mesmo assim, não é tão difícil serra-lo.

A princípio tentei fazer a instalação usando um avanço (mesa) Ritchey que eu já tinha nos meus guardados. Contudo, pelo fato de não ser regulável não permitiu que uma vez tudo instalado eu dobrasse a bicicleta. A mesa pegava na bike que virava um L. Ou seja, iria ficar pior do antes!!!


Com a mesa regulável, na hora de dobrar a bicicleta, apenas faz-se necessário afrouxar o parafuso que regula o ângulo da mesa e levantá-la para que fique num ângulo de 90º graus. No final deste artigo há foto da bike dobrada.
Bom, ao instalar a mesa na espiga que foi separada do guidão é interessante deixar a mesa um pouco acima da espiga e não rente. Como a espiga tem um reforço interno não será possível inserir a aranha que prende a tampa da mesa, portanto será necessário colar a tampa. Deixe então uns milímetros de espaço para que a tampa possa ser colada com a cola loctite, como eu fiz.
Obs.: Se a bucha, que também é de alumínio, tiver ressalto, como a da foto, pode ser serrado o ressalto para não impedir o "degrau" que precisa ser deixado, para a colagem da tampinha.

Observe o ressalto entre a mesa e a espiga.
 

Mesa que eu usei - Kalloy Over com regulagem.



Uma vez a mesa centralizada, basta aperta-la com a chave Allen correspondente. Verifique se ficou bem apertada mesmo.
Testei e verifiquei que estava tudo bem ajustado, portanto passei cola para prender a tampinha e ficar esteticamente um serviço mais apresentável.
Já com a tampinha colada.
Tampinha, parafuso e aranha. Não usei nem a aranha, 
nem o parafuso. Só a tampa.

No furo do centro da tampa, recortei com a tesoura um pedacinho de câmara de ar velha e colei para tampar o furo e pronto, ficou show de roda!
Depois de tudo isso feito, só foi instalar os manetes de freio, trocadores, suporte de farol, ciclocomputador e etc.
O resultado é o das duas fotos abaixo.


E para dobrar a bike? Será que dá?
Bom, para dobrar a Nanika, como eu comentei previamente, é só afrouxar o parafuso de regulagem do ângulo da mesa com uma chave Allen, levantá-la e deixa-la em 90º graus. Dá um pequeno aperto no parafuso - só encostar e dobrar normalmente, como manda o manual.
O resultado será este:

Observe na foto acima que eu não baixei o selim, portanto o guidão está no chão. Se baixar o selim como nas dobragens tradicionais o guidão fica alguns centímetros do chão. Eu não o fiz realmente de preguiça de tirar meu suporte de caramanhola.
Contudo, como bem observou a amiga e biker Ana Maria, nem precisa. Basta enfiar a bike do jeito que está no bagageiro do ônibus e viajar sossegado. Se eu achar necessário, posso enrolar um plástico nesse ponto do guidão para não ralar a fita e ponto final.
Ontem fui pedalar com a Nanika já pronta. O novo guidão ficou muito mais confortável. Já ouvi um pessoal que estava sentado na porta de uma oficina dizer: Olha fulano, que bike da hora!!!
Pedalei no asfalto, na terra e no meio de umas pedras soltas e foi tudo ótimo. A modificação ficou perfeita!
Não gastei um centavo sequer nessa mudança, pois a mesa, o guidão e a tampinha eu já tinha. A bucha ganhei do amigo e ciclomecânico Paulo.
Agora é aguardar mais uns dias e coloca-la na estrada, se Deus quiser. Antigão e a Nanika rumo à Florianópolis, SC!

Grande cicloabraço do...


6 comentários:

Luiz Bettoni disse...

Grande Antigao, agora com borboleta, que beleza! Estamos no aguardo por aqui também! Hábraços!!! Lulis

Waldson Gutierres disse...

Grande Luiz Bettoni!

A bikezinha ficou show de roda para cicloviajar! Obrigado! Também estou na grande expectativa de reencontar esses grandes amigos cicloturistas de Curitiba e outras praças! Daqui uns dias estaremos por aí, se Deus quiser!
Falta só um tiquim, como dizem os mineiros!
Grande cicloabraço e até já!

FabioTux® disse...

Grande Mestre W!

Ficou bacana a sua modificação, hein?
Eu particularmente só vejo um problema (que se aplica basicamente a mim, acho): o tempo que se perde apertando/desapertando o avanço.

Pro uso urbano é um tanto "desconfortável". Mas pro teu caso, que usa as miudinhas pra viagem, PERFEITO!

Eu quero ver se acho uma coluna de direção da Dahon que tem uma blocagem no suporte do guidão.
Aí sim, ficaria muito mais prático o uso de guidões drop ou trekking.

¡Brazo, Hermano!

Waldson Gutierres disse...

No site da Thor USA http://www.thorusa.com/accessories/handlebar.htm

é possível comprar um canote especial que já vem com Blocagem (quick release)
DAHON REVOLVE STEM WITH QUICK RELEASE TOP
A vantagem desse sistema, como observou o Fábio Tux, é que você pode usar qualquer quidão, mesmo o Butterfly, e soltá-lo mais facilmente quando for dobrar a bike.

joaozinho menininho disse...

Oi Sr. Waldson!!!

Obrigado por postar e compartilhar sobre a aquisição e instalação do Guidão Butterfly (Borboleta)... realmente em viagens muito desgastantes de dezenas, centenas, milhares de quilômetros... uma ótima posição ergométrica (Guidão/Selim) faz toda a diferença positiva.

Estou realmente avaliando essa questão de melhoria no equipamento bicicleta/alforges... obrigado por dividir conosco que pedalamos!!!

Cicloabraços
Joãozinho

Abiqueila disse...

olá queridos..

Nossa foi uma mão na roda encontrar essas instruções, estava pensando que ia trocar toda a pesa por conta da guidão mais veio a luz, referente a bucha , eu sou nova nesse ramo de cicloturismo ainda estou me equipando e amei o blog,

muito GRATA!